Vivo das palavras inconscientes, secretas e invisíveis. Louca por cada detalhe teu. Sou eu... Sou eu, em ti. E não me descreveria melhor.

Início ~ Cartas ~ Sobre mim

quarta-feira, março 14

Porque um "até nunca" é a despedida mais correcta.

Dizes gostar do desafio, da atracção do obviamente impossível. Relatas que o completo e fácil nunca foi do teu interesse. Já eu... Eu diria exactamente o contrário relativamente à tua pessoa. Diria que frequentas a maioria das zonas em que a facilidade domina e possui o ambiente e o impossível é algo que está fora do alcance. Porque eu fui misturada perante a tua vida. Não serei mais. Agora não quero ser a tua suposta ex-namorada. Quero ser uma desconhecida. Alguém que tu nunca conheceste nem tens intenções de o fazer. Tal como eu. Sou uma rapariga, cujo não conhece a tua história nem faz a mínima ideia de quem tu sejas. Não é um até sempre, porque tal despedida é escrita com uma palavra eterna e com intenções de voltar a vermos-nos e a falarmos-nos. É um até nunca, para que seja passado e permaneça nesse esgoto.

7 comentários:

mariana disse...

Lindo é isto!

Nelson Silva disse...

Adorei, segui*
Continua a escrever estás palavras.. consigo senti-las ! :')

Ana Margarida disse...

É assim mesmo que se fala, doce <3

catarina disse...

lindo*

Ana Faia disse...

não apareces nos meus seguidores querida :s

TDelMona disse...

fico á tua espera <3

Anα C . disse...

Ora essa , limitei.me a dizer a verdade ! :)