Vivo das palavras inconscientes, secretas e invisíveis. Louca por cada detalhe teu. Sou eu... Sou eu, em ti. E não me descreveria melhor.

Início ~ Cartas ~ Sobre mim

domingo, maio 13

«I will love you till the end of time»

Começo por dizer que teimo em ter uma necessidade agoniante em escrever. Não importa para quem, mas sim como. E ao som de uma melodia qualquer talvez ainda consiga relatar aquilo que ele nem imagina ter dito alguma vez. E por mais que tente, sempre que me dirijo a alguém, é a ele. E não é agora que alguém irá parar perante a minha pessoa para perguntar se ainda o amo. Ninguém teria uma mínima coragem sequer para me questionarem o tipo de dor que ronda os meus olhos, a nostalgia e a melancolia que sinto por ele. Se neste preciso momento estiver a ler-me perceberá e decifrará o que cada palavra esconde. O que cada memória relembra. E se neste momento vos pedisse para pararem de deslizar os vossos olhos neste código de sentidos, eu sei que ele seria o primeiro que me desobedeceria. Sei que leria até ao fim. E mesmo assim chegaria ao final a saber o mesmo... Porque isto não é mais nem menos senão uma repetição do que nos aconteceu. Uma memória, como disse. E é tão normal... Tenho dito. É tão normal a maneira como o olho, como o abraço com o olhar. Olhar cujo parece, e é, aconchegaste. Palavras tornam-se num esgotamento. Sentidos transformam-se numa jaula para além de pequena. E quando ele me mata com a realidade essa jaula diminui ainda mais e a única coisa que necessitaria seria uma droga. Bem real, que se acentuasse bem em mim. Na melancolia que sinto por ele, na minha rotina tão desgastante e repetitiva. Dito mas não feito. Prometido mas não cumprido. Digo e prometo que encontro essa tal droga que possuirá mais força que alguma vez eu tive. Digo e prometo. E o provável é não ficar feito, nem cumprido.

2 comentários:

Marilena' disse...

Está divino!
Revejo-me às parcelas neste post. A dor, o sentimento...

cláudia disse...

porque o sentimento não muda por vezes, por mais ausente que seja, mesmo que já não nos pertença, o sentimento fica, e isso sim, é amor. (:
gostei imenso querida!**